BRIGA BOA NO MARKETING
7 de agosto de 2013
FORREST GUMP
7 de agosto de 2013

Lampejos intelectuais não aparecem do nada, pensamentos inteligentes e inovadores resultam de um processo cognitivo complexo. E, em geral, ocorrem em situações nas quais as pessoas estão justamente pensando em algo totalmente diverso: nas férias, no passeio de domingo.

Cientistas estão amplamente de acordo: é possível criar as condições básicas necessárias para aproveitar ao máximo o potencial criativo de cada um, bastando para isso, mudanças na postura e nas \’condições circundantes\’. E mais, segundo o modelo de fases do pensamento criativo, o cérebro é praticamente obrigado a nos agraciar com esse momento de revelação – desde que haja uma fase de preparação adequada e, na sequência, uma fase de incubação.

Mas, o que favorece o pensamento criativo: Primeiramente, Descobrir e espantar-se: procure todos os dias encontrar algo que cause admiração, anote o que lhe pareceu inusitado e estranho, você poderá assim fortalecer a sua percepção; Depois vem, a velha conhecida,  a Motivação: sentir uma centelha de interesse, siga a pista. No pensamento criativo a motivação tem de estar em ordem; Coragem e liberdade de pensamen a criatividade exige a coragem de suplantar proibições ao pensamento e de olhar mais de perto ideias que em princípio parecem despropositadas; Tranquilidade e descontração: reserve um tempo para sonhar acordado e refletir. Procure oportunidades para relaxar e aproveite-as de maneira consciente.

O pensador italiano Domenico de Masi, talvez tenha razão ao dizer que “se a necessidade é a mãe das invenções, o ócio é, então, o pai das ideias”.