A ONDA DO NEUROMARKETING
3 de agosto de 2010
THE FAST
3 de agosto de 2010

Sob a ótica de Freud
A comparação de carros à personalidade dos seres humanos e sua influencia na venda de automóveis. A ideia é do psiquiatra e antropólogo francês Gilbert Rapaille, que acredita que os veículos são dotados de identidade. e, como tal, entram em crise, evoluem e até caem em desgraça. A análise pode parecer banal à 1ª vista. Entretando, cada vez mais ela vem influenciando os consumidores mesmo que inconscientemente. Foram seus estudos que deram origem ao retrô PT Cruiser, da Chrysler, repaginado em 1998, com alterações no formato do farol e teto solar. O projeto, de US$ 2,6 bilhões, ajudou a marca a bater o recorde de vendas em 1999.  “O código genético do carro remete ao cavalo. Um animal arisco, mas que pode ser domesticado”, explica. Segundo ele, os carros produzidos pelas montadoras asiáticas gozam de um status diferenciado.  “Os próximos a embarcar nessa onda serão os chineses”, aposta.

Vendas em alta continua
Depois do boom em 2009, quando as vendas de netbooks subiram 300%, a expectativa para 2010 é de ainda mais crescimento. Segundo a consultoria IDC, as entregas no Brasil devem crescer 130%, puxadas pelas classes B e C e parcerias entre fabricantes e operadoras.

Um novo Yahoo
Desde que Carol Bartz assumiu a presidência do Yahoo, as ações da empresa subiram cerca de 20%. Sua principal decisão foi firmar um acordo de dez anos para compartilhar o faturamento de anúncios de busca com a Microsoft, cujo serviço Bing vai alimentar as buscas no Yahoo. Segundo ela, a empresa atende a 600 milhões de pessoas por mês na internet e vai continuar crescendo, apesar de ainda não levar seu conteúdo agressivamente para celulares. Bartz explica que a empresa vai lançar um aplicativo “fantástico” de email para iPad e iPhone e mira os celulares Nokia, que têm uma boa participação no mundo inteiro.
O objetivo do Yahoo é aumentar o número de usuários na Ásia, onde a prioridade não é ganhar dinheiro. “O que o Facebook está fazendo? Conquistando usuários. O lucro virá depois”, afirmou Bartz, aproveitando para dizer que os usuários do Yahoo buscam mais conteúdo local, além de opiniões pessoais, comentários e avaliações. Para isso, o Yahoo vai buscar o conceito de aplicativos que compartilhem localização, como o Yelp e o Foursquare, e sites de descontos locais, como o Groupon.