EXPERIÊNCIAS SINESTÉSICAS
5 de abril de 2012
FIM DA LOGOMARCA
5 de abril de 2012

Em 2011, o mercado de automóveis passou por altas e baixas nas vendas, muito em função da instabilidade econômica, flutuação do preço do combustível e o reflexo do terremoto que destruiu parte do Japão. O resultado é antagônico: de um lado, aumentou o número de compradores de carro zero quilômetro; do outro, a crise e o comportamento do consumidor cada vez menos fiel às marcas fizeram com que muitas pessoas adiassem a compra do carro. São as deduções da pesquisa “Cars Online”, realizada com oito mil consumidores de países consolidados, como França, Alemanha, Reino Unido, entre outros, e de países em desenvolvimento, como Brasil e Índia.

A pesquisa, em termos gerais, detectou que os consumidores estão interessados em inovação, tanto na compra on-line de veículos como no interesse por modelos movidos a combustíveis alternativos, busca por aplicativos de smartphones e a prática do compartilhamento de carros.

Uma das tendências mais acentuadas neste mercado é o uso da internet durante o processo de pesquisa. Cerca de 94% dos consumidores utilizaram a plataforma on-line, não só para pesquisa, mas para consulta de opiniões em redes sociais, aplicativos em smartphones e compra de acessórios. 42% dos consumidores estão interessados em realizar a compra pela internet e, entre os brasileiros, o número é ainda melhor: 67%. Dos entrevistados, 71% se sentiriam encorajados a efetuar uma compra caso lessem informações positivas nas redes sociais e 51% reavaliariam a decisão diante de uma crítica negativa.

Na China, a influência das opiniões publicadas nas redes sociais chega 83% para os comentários positivos, e 44% para os negativos. Os brasileiros aparecem logo em seguida: 81% se impressionam com boas avaliações e 67% com as más críticas.

Os índices servem de alerta para a crescente necessidade de as empresas administrarem e monitorarem o conteúdo publicado.