O QUE ME FAZ FELIZ?
19 de setembro de 2014
GASTRONOMIA EM ALTA, MÍDIA TAMBÉM
19 de setembro de 2014

Entrar na onda do marketing da causa requer conhecer alguns passos básicos e fundamentais: 1º deve existir uma relação clara para o consumidor entre o propósito a ser defendido e o negócio da companhia, ou seja, não soa coerente uma rede de fast-food fazer campanha de combate a obesidade; 2º Consistência na ação, isto significa que a causa deve permear as políticas da empresa; 3º Buscar pelo parceiro ideal, isto é, firmar contratos com ONG’s respeitadas e definir o papel de cada um no acordo; e, em 4º transparência para o consumidor, por exemplo: na própria embalagem do produto, inserir o quanto de seu valor de venda será destinado para tal causa.

Um dos cases mais bem-sucedidos é o da Ben & Jerry. A empresa apoia publicamente – e de forma criativa – diversas causas, como o combate a desigualdade social. Aqui, no Brasil, a Unilever firmou uma parceria com a Unicef e a marca Vim, para ajudar as prefeituras do país a implementar políticas de saneamento básico que beneficiem crianças e adolescentes. A empresa já doou 500 mil reais. E a partir deste mês, destinará 50 centavos de cada garrafa vendida do produto para a Unicef.

Mas nem tudo é sucesso nessa seara… A rede americana KFC é conhecida por ser aventurar de maneira atrapalhada nessa estratégia. Um dos casos mais recentes, foi quando a empresa tentou arrecadar recursos para pesquisas sobre diabetes juvenil com um percentual da venda de copos de 500ml de refrigerante, que, em média, tem 54g de açúcar cada um.