PODEMOS VIVER NA ERA DO VALOR – MAS O PREÇO AINDA É DECISIVO
30 de outubro de 2017
EXPANSÃO DOS SITES MOBILE
30 de outubro de 2017

Estamos passando por uma revolução que impõe enormes desafios para os varejistas e indústrias de bens de consumo quanto à sua capacidade de reagir rapidamente às mudanças e de exibir excelência de excelência de execução em todos os canais e momentos de compra.

Os consumidores de hoje querem uma experiência de compra multidimensional, que torne fácil a jornada de busca e de compra. Que seja também interativa, emocional e social.  Isto significam que estão ampliando o conceito de comprar para incluir também o desejo de participar de uma comunidade de varejo especializada, usar mais os dispositivos móveis durante a jornada de compra, confiar mais nas redes sociais e exigir que os vendedores das lojas sejam mais bem informados e possam atender de forma cada vez mais personalizada.

A pesquisa da PWC (2017) conclui que a loja física não está em risco de desaparecer em um futuro próximo. Mesmo com as compras via smartphone crescendo em relação a outros canais on-line, a loja continua no centro da experiência de compra do consumidor no Brasil e no mundo, apesar do fluxo de consumidores nas lojas sofreu uma queda notável.

Quando perguntados sobre o uso de mídias sociais na experiência de compra,  47% dos entrevistados (base global) pontuaram a análise das avaliações e comentários dos produtos e serviços. No Brasil, esse índice sob para 61%. O item “vendo anúncios” apresentou um percentual de 36% no Brasil e na base global este índice é de 23%.

No recorte dos dados sobre gênero, constatou-se que as mulheres usam mais as redes sociais como parte da experiência de compra do que os homens. Elas forneceram um percentual resposta maior para todas as alternativas apresentadas como: “avaliações e comentários” – 65% (mulheres) e 57% (homens); “receber ofertas promocionais” – 56% (mulheres) e 43% (homens).

Varejistas e empresas de bens de consumo precisam encontrar maneiras inovadoras de contar sua história e se conectar com os clientes.  Afinal, os consumidores querem e vão sempre querer uma revolução. Os drivers mudam com o passar do tempo…