PESQUISA COM EYE-TRACKING TRAZ INSIGHTS SOBRE O TEMPO DE INFLUÊNCIA DOS ANÚNCIOS DA PUBLICIDADE EM VÍDEO

MARKETING DE INFLUÊNCIA – RECONSTRUIR A CONFIANÇA
2 de abril de 2019
SE O MARKETING FOSSE UMA MARCA, VOCÊ ACIONARIA O CMO?
2 de abril de 2019

PESQUISA COM EYE-TRACKING TRAZ INSIGHTS SOBRE O TEMPO DE INFLUÊNCIA DOS ANÚNCIOS DA PUBLICIDADE EM VÍDEO.

No ano passado, a professora de inovação em mídia da Universidade de Adelaide, a australiana Karen Nelson-Field publicou seu segundo estudo de rastreamento ocular sobre os efeitos da publicidade em vídeo em torno de conteúdo de TV (TV e on-line), Facebook e YouTube. Essa nova pesquisa, chamada Decay, mostra que o efeito da publicidade em vídeo nas decisões de compra do consumidor continua por até um mês depois que ele viu um anúncio em vídeo. O efeito entre publicidade em torno de conteúdo de TV e publicidade no YouTube e no Facebook é muito diferente.

O objetivo desta pesquisa é ajudar na melhor utilização possível da publicidade em vídeo. A professora Nelson-Field observa em sua pesquisa que as propagandas colocadas entre o conteúdo da TV na TV ou on-line influenciam muito mais as decisões de compra do que as propagandas no Facebook ou no YouTube. Isso é independente do tipo de tela em que são visualizados. Parece que a lembrança da publicidade na TV é tão forte que o efeito sobre as vendas após 28 dias é ainda maior do que o efeito dos anúncios em vídeo no Facebook e no YouTube durante o pico, imediatamente depois de serem vistos nessas plataformas. Segundo a pesquisa, isso se deve à visibilidade superior dos comerciais de TV.

Para excluir a influência humana na coleta de dados durante o programa de pesquisa da Série Benchmark, são utilizadas a tecnologia de aprendizado de máquina de inteligência artificial (AI) e o software de rastreamento ocular.

Efeitos de vendas de curto prazo x longo prazo

Esta pesquisa examina quanto tempo a exposição à publicidade em vídeo tem impacto nas decisões de compra (vendas) das três principais plataformas de vídeo: Facebook, YouTube e TV, dependendo da tela que está sendo assistida.

Inicialmente, os efeitos de vendas de curto prazo foram investigados pedindo a mais de 2.500 entrevistados para escolher produtos em um supermercado on-line, imediatamente depois de terem sido expostos a diversos anúncios. Neste estudo de acompanhamento, os mesmos entrevistados foram novamente convidados a visitar o mesmo supermercado on-line e escolher produtos após 14 dias (curto prazo) e após 28 dias (longo prazo) após a exposição aos anúncios.

  1. – Com as medições repetidas, a TV e o vídeo sob demanda (VOD) têm o maior impacto sobre as vendas em comparação ao Facebook e ao YouTube, independentemente de qual tela foi visualizada.
  2. – Os anúncios visualizados no conteúdo de TV têm um impacto maior nas vendas imediatamente após a exposição do que os anúncios no Facebook e no YouTube, por meio de qualquer tela.
  3. – Os anúncios no Facebook e no YouTube são rapidamente esquecidos e o efeito nas vendas leva pouco mais de 6 dias, enquanto o efeito da publicidade na TV dura 10 vezes mais.

Como explicação dos resultados da pesquisa, a professora Nelson-Field comenta: “Os novos resultados mostram que algumas plataformas são melhores em fornecer o elemento crucial da eficácia da mídia: a capacidade de ancorar algo na memória. A publicidade televisiva não só proporciona um efeito de vendas maior a curto prazo, como o efeito de vendas é também mais sustentado porque o comercial de TV permanece na memória por um período mais longo. A publicidade na TV continua a ter esse impacto por causa da visibilidade (viewability). A principal razão pela qual a publicidade na TV atrai tanta atenção e impacto é que a publicidade na TV usa a tela inteira e por causa de um grande número de pixels. Como os anúncios de TV preenchem a tela inteira, eles são 100% visíveis e não sofrem com a rolagem “abaixo da dobra”. Então, a TV vence em duas frentes, o impacto é imediatamente maior desde o início e diminui menos”.

Conheça o 1º Estudo da Pesquisa com a tecnologia Eye-Trancking

Fonte: www.allresponsemedia.com