PERDA DO FASCÍNIO DE INDEPENDÊNCIA
30 de outubro de 2017
UMA BREVE PAUSA
30 de outubro de 2017

A indústria de lojas pop up foi avaliada em US$ 50 bilhões em 2016, de acordo com estudo da Pop up Republic. Além de atender às necessidades básicas do marketing, as lojas pop up podem introduzir o consumidor em uma marca, pois oferecem experiências muitas vezes exclusivas e inéditas. Para Arati Sharma, diretor de marketing da Shopify, o formato flexível pode ampliar a experiência do consumidor e fazer com que os clientes se sintam especiais. É o caso do site Food52, que lançou loja pop up para apresentar seus produtos online na vida real, com demonstrações. Durante os eventos, puderam conhecer melhor o público e coletar dados. Já a cafeteria Organic Valley criou loja para permitir uma experiência inversa no consumo do café. Os clientes compravam o creme e eles mesmo adicionavam o café. Feriados e grandes datas do varejo são épocas comuns para a prática e os proprietários já começam a ficar favoráveis a aluguéis de curto prazo. Lojas de fantasias no Halloweeen, lojas de flores no dia dos namorados ou de chocolates na páscoa são algumas das tendências. Celebridades também aproveitam o pico do consumo para crias suas lojas temporárias, como a família Kardashian, que vende sua linha de maquiagem, ou cantores que vendem mercadorias em suas turnês.