A EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE
8 de novembro de 2011
O ENSINO PUXADO PARA O BEM E PARA O MAL
8 de novembro de 2011

As constantes inovações tecnológicas obrigam mercados como livrarias, cinemas, bancas de jornal e canais de TV a buscar novos modelos de negócio para atuar na era da internet. Segundo a empresa de pesquisa IDC, em 2011 serão vendidos 44,6 milhões de tablets e 14,7 milhões de leitores de livros eletrônicos. Além disso, o segmento das TVs 3D crescerá 500% e o dos smartphones 26%, contrastando com as quedas dos microcomputadores e telefones celulares, com revés de 39% e 56% respectivamente. Esses números representam grande oportunidade para empresas de mídia e entretenimento para atender as necessidades digitais dos consumidores.

Porém, o mundo digital e tradicional continuará coexistindo por um bom tempo e as empresas precisam encontrar formatos que sirvam aos dois segmentos com a mesma eficiência. O ritmo de adoção de novas tecnologias pelos consumidores é mais rápido do que o ritmo de mudança das empresas. Com isso, algumas indústrias, como as gravadoras, por exemplo, acabam perdendo seu valor. Hoje, as pessoas vêem “conteúdo” quando querem e onde preferem. Pesquisa da IBM mostrou que 50% dos jovens entre 18 e 21 anos assistem à programação televisiva online com regularidade.

Números mostram incertezas no mercado. Segundo dados da Wharton, o valor do jornal impresso ainda vale 18 vezes o de sua versão online. Os tablets têm o potencial de revolucionar a indústria editorial, mas a leitura digital é quase igual a do papel. Falta agregar valor real, gerar uma nova experiência. Por isso, as lojas de aplicativos para smartphones permitem o surgimento de milhares de start-ups, deixando o mercado ainda mais indefinido.

Atualmente há 4 bilhões de telespectadores em todo o mundo, mais do que o número de usuários de internet e o de celulares somados. E o valor da audiência na TV é três vezes maior que a audiência online. A disponibilidade gratuita de conteúdos na TV conectada à internet atenta contra as receitas publicitárias – os anúncios online não são tão lucrativos quanto os de TV. O duelo é de Titãs.