RECESSÃO NAS IGREJAS
21 de junho de 2010
GIRO GLOBAL
21 de junho de 2010

      Nos últimos dez anos, empresas norte-americanas do setor aéreo acumularam prejuízos de US$ 60 bilhões. Desde 2000, 37 empresas aéreas entraram em recuperação judicial, segundo a Associação de Transporte Aéreo (ATA). O problema tem origem em 40 anos de regulamentação do governo em rotas e tarifas, o que acabou em 1978. Incapazes de concorrer em preços, as empresas aéreas utilizavam os serviços para superar as rivais, como cortesias. Até hoje, o setor não conseguiu deixar sob controle seus custos fixos, sofrendo com preço de combustível, alto e volátil, e com sindicatos fortes. 

      As únicas que parecem ter encontrado uma solução são a Southwest, JetBlue e outras que voam no sistema ponto a ponto, sem grandes centros de conexão. Com isso, baixam os custos e as tarifas e têm bom relacionamento com seus funcionários. 

      A função básica de transportar passageiros pelo ar continua um negócio difícil e a fusão entre United Airlines e Continental, embora tenha lógica de sobre no papel, não fará muito para resolver o problema. O histórico de alianças não é muito encorajador. A maioria rendeu fracos ou medíocres resultados.